Gripe Canina

Agora, no período mais frio do ano, aumenta o risco dos cães apresentarem a Gripe Canina ou Traqueobronquite infecciosa canina ou ainda, mais conhecida como, “Tosse dos canis”. É uma doença aguda e altamente contagiosa, e a melhor forma de prevenção é a vacinação. A gripe canina afeta diretamente o sistema respiratório dos cães. No inverno, o clima frio e seco favorece o aparecimento da gripe, facilmente transmitida por meio da tosse e do espirro de animais doentes.

 

cachorro-com-febre1

 

 

Os agentes causadores mais frequentes são a bactéria Bortedella bronchisseptica e os vírus da Parainfluenza e adenoviros canina tipo 2. A transmissão ocorre mais frequentemente quando há aglomeração de animais, por exemplo: em parques, praças, canis, hotéis para cachorros, abrigos e loja de animais. O principal sintoma é a tosse seca e repetida que geralmente piora com os exercícios físicos, agitação ou mesmo pela pressão da coleira. Outros sintomas, como secreção nasal, falta de apetite e febre, podem ser indícios de quadros mais graves da gripe canina.

A Bordetelose pode atingir 15 espécies animais diferentes dentre elas o próprio homem. Pôr este motivo o controle desta doença é importante para a saúde dos animais, proprietários e veterinários. Fatores ambientais como, produtos de limpeza a base de formol, poeira, alterações bruscas de temperatura também podem predispor os animais a crises de tosse favorecendo a penetração de microorganismos da tosse dos canis. A irritação das narinas podem facilitar a penetração dos microorganismos existentes no chão, na terra e complicar produzindo uma secreção purulenta pelo nariz. Nestes casos se faz necessário a aplicação de antibióticos, principalmente quando estes animais apresentarem falta de apetite, febre, apatia e perda de peso.

Os animais mais atingidos pela gripe canina são os filhotes recém-desmamados, que ainda não têm a imunidade fortalecida. Entre os adultos, também estão vulneráveis à contaminação os animais debilitados por outras doenças, submetidos ao estresse ou que passaram por longas viagens, confinamento em clínicas, hotéis, exposições, ou ainda, submetidos à alimentação inadequada. Mas os outros cães que não se enquadram nessas situações descritas acima não estão livres de adquirirem a doença, como os animais idosos, raças de pelagem curta, doberman, dachshund, pinscher, labrador e outros, sentem muito frio. Todo cão deve ter uma casinha, canil ou abrigo no inverno. Cães que dormem desabrigados são sérios candidatos a desenvolver quadros respiratórios.

Para prevenir a traqueobronquite infecciosa canina é de extrema importância a vacinação anual dos animais, a qual protege durante o ano todo. Outros cuidados devem ser levados em consideração, como manter o animal protegido do frio, da umidade e do vento (se necessário providencie roupas próprias para animais); evitar banhos com água fria nos animais, e as aglomerações de cães durante o inverno, e ainda, isolar os animais doentes. Deve-se lembrar que, como para a gripe humana, as vacinas contra a gripe canina minimizam os sintomas da doença, mas podem não impedir que os animais desenvolvam sintomas brandos. Em alguns casos, episódios de tosse e espirros podem ocorrer mesmo nos animais vacinados, mas de todo modo, a vacinação é a melhor forma de prevenir a doença.

Procure um médico veterinário de confiança de se informe sobre a vacina contra a gripe!